o nome deste blog era VIAJANDO PELO MUNDO, mas fiz tantas postagens sobre comidas e restaurantes que resolvi mudar o nome, se vc frequenta este blog , as informações sobre viagens esta no blog www.tambemqueroir.blogspot.com

o nome www.remacaroca.blogspot.com, surgiu entre amigos.........vamos fazer um blog sobre nossa futura viagem, ja que um mora no rio de janeiro, outro em recife, outro na italia e outra na irlanda ficou as iniciais, por idade, do mais velho ao mais jovem RE gina MA riza CA cau,ROsalvo CAmila.....
agora nao dá para mudar, ou melhor, eu nao sei fazer isso rsrsrsr.....................
Errar é humano. Vadiar é parisiense.

Victor Hugo

24 de abr de 2010

Giant’s Causeway e o Dunluce Castle: Imperdível!

dicas de um estudante na  Irlanda

Giant’s Causeway

Mais um dos encantos do interior da Irlanda, ou melhor, da Irlanda do Norte, que só não é Irlanda por causa dos “fuc***g britshes!
Enfim, Giant’s Causeway é pra mim o passeio mais imperdível de toda Irlanda. Claro que não visitei todos, faltaram alguns lugares famosos como o Ring of Kerry em Killarney. Mas pelo tipo de passeio, pelas minhas sensações no lugar, acho que é imbatível. É um passeio diferente para quem está na Europa e se acostuma a ver castelos, construções, museus, estátuas e avenidas famosas, mas pouca beleza natural.
O passeio ao Giant’s Causeway dura um dia, como uma ótima disposição para andar! Você pode fazer o passeio saindo de Derry, ou de Belfast. Derry fica mais perto, mas as pessoas normalmente preferem ir para Belfast porque querem conhecer a “capital rival” de Dublin.
Exibir mapa ampliado    Eu fui para o Giant’s Causeway logo depois enquanto estava em Derry, e foi uma ótima estratégia. Por cerca de 15 libras você compra um ticket de ônibus em que você pode andar o dia todo pela Irlanda do Norte, e vale mais a pena que comprar simplesmente o “return ticket” (ida e volta) pois te dá direito a usar ônibus metropolitanos também.
Os três patetas: Paulistano, o Mineiro e o Australiano estavam no mesmo hostel em Derry e todos queríamos conhecer o famoso Giant’s Causeway.
Apesar do medo constante de que o tempo ia ficar ruim e não conseguiríamos aproveitar, saímos cedinho do hostel e pegamos um dos primeiros ônibus rumo ao Giant’s Causeway. Quando chegamos, o tempo, apesar de nublado, nos convidava ao passeio.
Dentro do “parque”, existe um ônibus que faz uma parte do caminho e te poupa uma boa caminha, mas infelizmente…
A caminhada até as formações rochosas já é bem bonita e vai te deixando em dúvida: ando mais rápido pra ver o que me espera, ou tiro mais uma fotinho? =o)
Quando as primeiras pedras (parecem parelelepipedos ocatagonais) começam a aparecer, a gente começa a se empolgar e tirar fotos rídiculos se achando o rei do Atlântico Norte.
Essa, abaixo, é uma das partes mais incríveis e mais famosos do Causeway. Essa formação rochosa entra dentro do mar, e tem até um pico bem dentro do continente. Andar nessas pedrinhas quandos elas estão molhadas é pedir pra cair de bunda!
Conforme fomos andando, encontramos algumas partes perdidas do gigante… tipo a bota! =o)
O órgão…
e até o próprio gigante!
Depois disso São Pedro deu uma força pra gente e o solzinho (apenas a luz, nada de calor) apareceu mais forte e deixou a paisagem ainda mais sensacional.
Andando mais um pouco, chegamos ao fim da trilha. Não por que Giant’s Causey havia acabado, mas por conta dos ventos, o caminho que antes existi ali desmoronou algumas vezes, e agora a passagem está fechada.
É uma parte sensacional, em quem há uma pequena “baía” cercada por montanhas relativamente altas em forma de C. Quando o vento forte irlandês bate, é difícil até se segurar em pé sem apoiar as mãos no corrimão. O vento uiva, empurra, e a paissagem faz valer a pena…
Para o caminha de volta a entrada resolvemos subir até o topo dos cliffs para uma vista panorâmica. Nada de muito diferente podia ser visto, mas a vista do alto é sensacional. Foi quando eu realmente pensei: “Esta é a Irlanda que tanto falam, e que todo devem visitar”.
A minha frente:
Detalhe: aquele lugar onde o Gigante Mineiro está é bem estreito e ventava forte! Não repitam isso em casa…
E em minhas costas (o papel de parede do Windows)…
Antes irmos embora precisávamos matar nossas lombrigas que estavam nos matando. Logo ao lado da saída do parque, tem um restaurante muito agradável, em que pode comer um Stew servido ao molho de Guinness, com purê de batata. Simplesmente excelente, e a um preço razoável por ser o único restaurante acessível.
Descobrimos que ainda não era hora de ir embora, vendo os cartões postais e lembranças da loja de souvenirs, vimos algumas belas paisagens que no interessamos. A primeira foi a Rope Bridge, que parece sensacional. Uma ponte de cordas (tipo a ponte do rio que cai) entre dois cliffs. Infelizmente no inverno, a ponte fica desativada para turismo.
Mas encontramos outro lugar que nos apeteceu e que resolvemos ir conferir: Dunluce Castle. Pegamos um ônibus até a cidade próxima e depois um taxi que ficou bem barato (algo em torno de 15 euros, 5 para cada). Conseguimos o telefone do taxista na loja de souvenirs.
O dia que já vinha sendo maravilhoso, cheio de belas paisagens. E para finalizar, transcrevo algumas palavras do Gigante Mineiro: “Dunluce Castle é um dos castelos mais legais, ou o mais legal que eu vi na Europa”. Isso por que era um Castelo que não havia sido reformado, e aparentemente nem será. Estima-se que a construção do castelo se deu no século XIII, e tem seu registro mais antigo datado de 1513 (veja mais).
Na verdade são as ruinas do castelo, e a entrada custava 4 euros, e 2 para estudante.
Na entrada, assiste-se um vídeo muito interessante sobre a história do castelo…
Entre outras coisas…
Depois, você está liberado para apreciar o belo castelo, que em grande parte, dispensa comentários…

Canhões…
E mais canhões…
Achou que era de verdade né? Eles também! =o)
A saída para barcos pequenos…
As escadas de acesso.
Ah, quem não é visitante não precisa ser cauteloso então?
E pra finalizar, a varandinha…
Conclusão!

Depois de tantas fotos e adjetivos que coloquei neste artigo, só tem uma coisa que tenho a dizer sobre o Giant’s Causeway e o Dunluce Castle: Imperdível!


Galway e região

 A cidade de Galway é o ponto de referência para quem quer conhecer três famosos lugares na Irlanda: Cliffs of Moher, Connemara National Park e Aran Island.

Todos os dias saem ônibus do centro da cidade para estes pontos turístico e o passeio dura apenas um dia em cada um, as saídas são às 09h30 e o retorno às 17h00.
Para Cliffs of Moher e Connemara custa €18 cada, já para Aran Island custa €26.

Cliffs of Moher
São penhascos maravilhosos, vale muito a pena visitar este lugar. Mas aconselho irem bem agasalhados pois é muito frio lá em cima. Além dos penhascos, tem um pequeno castelo, restaurante e loja de souvenirs.


Connemara National Park
Se puderem ir de carro, é altamente recomendado, pois assim poderá parar e curtir os lugares pelo caminho. Este passeio mostra a Irlanda que conhecemos nos livros, muito verde, lagos e ovelhas.

Além dos vilarejos, uma parada obrigatória é o Kylemore Abbey Castle. Tem um bom restaurante, uma capela, um bosque, um jardim e o castelo (claro). Não aconselho pagarem para entrar no castelo, eu paguei e fiquei decepcionada, pois só pude ver uma sala de jantar e algumas roupas de padre. A vista ao redor dele é muito melhor.

Depois siga para o Connemara National Park, ele é muito famoso aqui na região de Galway. É um parque ecológico com animais e montanhas que podem ser escaladas.


Aran Island
É um conjunto de 3 ilhas localizadas na Galway Bay (baía), o legal é ir até lá, alugar uma bicicleta e sair explorando a ilha.




Cork Galway e finalmente, Cork).

A primeira curiosidade é que, assim como Sampa e Rio, Brasil e Argentina, Dublin e Cork por serem as maiores cidades do país tem certa rivalidade. Brincadeiras com o sotaque, discussão sobre quem deveria ser a capital do país, entre outras coisas.
Se em tamanho / número de habitantes Dublin sai na frente, em termos de vida noturna Cork pareceu muito mais animada e diversificada. Foram apenas duas noites lá, e foi a impressão que tive. Começa já pelo fato de que as baladas não fecham as 2:30. Também não viram a noite, mas já vão até 4, 4:30.
20 euros pagam as passagens de ida e volta pela Bus Eireann. A chegada na cidade é bacana, ela tem cara mais de cidade. Obviamente é uma cidade “pequena”, mas já está ensaiando os passos de crescimento, você se sente um lugar mais desenvolvido / moderno do que quando em Dublin.
 Bru Bar & Hostel. Além de gostar muito do quarto, banheiro, limpeza, galera, computadores, na parte térrea do hostel tinha um bar legalzinho.
Preciso dizer, que a cidade em si não oferece muitas opções de turismo. Basicamente é uma porção de igrejas bonitas. Uma delas conta com uma torre na qual (na primavera / verão) você pode subir para uma vista da cidade. Infelizmente quando eu fui, apesar do ótimo tempo, disseram que a torre estava fechada pro questões de climáticas (o céu estava limpo, mas estava algo entre 0 e 2°C).



uma baladinha  -  ao An Bróg e foi divertidíssimo. Tocava música boa (indie rock, anos 80, etc) e tinha gente bonita e animada!
No dia seguinte, fui à atração turística principal da cidade, o Blarney Castle que fica a meia hora da cidade. Os ônibus custam cerca 6 euros (ida e volta). O preço da entrada é 10 euros.
Além do castelo, existem 2 caminhadas que se pode fazer pelos jardins e também o Blarney House. O Blarney House fica aberto em períodos específicos do ano, precisa checar no site do Blarney Castle.

Blarney Castle

Blarney House

A maior atração do Castelo é uma pedra, a Blarney Stone, que é famosa por conceder o dom da eloquência e elegância a todos aqueles que a beijarem. Muitos famosos passaram por lá… E é impressionante, de todos os mochileiros que conheci na Argentina, TODOS já tinham beijado a pedra, e claro que eu também o fiz! Abaixo, uma fulana qualquer beijando a pedra…

Kilkenny

 Kilkenny é uma das cidades turísticas mais famosas da Irlanda. Por que? É uma cidade bonita, tem o seu castelinho legal,  vida noturna .
Mais uma vez a minha passagem pela cidade foi bem rápida. Cheguei pela manhã, aproveitei o dia, a balada e depois fui-me! A cidade é famosa pela vida noturna (assim como tantas outras na Irlanda), mas por ser inverno a cidade não estava tão movimentada quanto eu esperava!
Na chegada, eu tomei um susto! Como já falamos aqui no E-Dublin, o Bus Eireann passa por diversas cidades e vai indo… Peguei o ônibus de manhã, estava meio dormindo e vi o ônibus saindo da estação de trêm!! Levantei correndo “aqui era pra desembarcar em Kilkenny?” Felizmente era apenas um dos pontos, e o próximo, ficava no centro.
Pela primeira vez eu estava indo a um destino sem ter a reserva do albergue. Com a mochila nas costas saí para procurar. Encrontrei um da International Hosteling que era muito bonito, mas caro! Andei um pouco mais e encontrei o Centro de Informações Turísticas, onde peguei meu mapa e perguntei onde eu poderia encontrar albergues! Me indicaram para ir ao Kilkenny Tourist Hostel, e foi onde eu fiquei. Não era nada espetacular, mas era limpo o suficiente, tinha uma cozinha grande e as pessoas eram legais. Paguei 20 euros/noite.
Joguei minha mala na cama, coloquei o fone de ouvido e saí para passear!
Já tinha pesquisado um pouco e o mapa confirmava: não tinha taaaaaanta coisa para se ver / fazer na cidade, mas precisava fazer primeiro o principal: ver o castelo!
Descendo a rua do albergue eu chegava em um cruzamento bem bagunçado, que para piorar, estava em obras! Na esquina, o castelo.
Para entrar no castelo havia o custo de 6 euros. Li o que havia no meu do castelo e não me interessei. Tirar algumas fotos da faixada e fui conhecer os jardins.
A parte mais bonita fica atrás do castelo, onde você encontra uma fonte, flores, bancos e pode tirar uma boa foto… Do outro lado, caso você tenha tempo, a caminhada é grande, mas vale a pena! Uma das laterais do jardim é ao lado do rio e em meio a um bosque. Quando se está do lado oposto do jardim, a vista do gramado com o castelo ao fundo é bem legal, principalmente em um belo dia de sol como aquele…
Saindo de lá fui almoçar! A lasagna esava ótima mas muito pequena para minha fome naquele momento… Infelizmente a grana era curta e não pude comprar suplementos complementares. =/
Logo ao lado do Pub em que comi, havia uma pequena igrejinha, de St Francis. Bonitinha!
Continuei andando até meu próximo destino, a St Mary’s Cathedral! Mais uma bela igreja na Irlanda… O mais engraçado era que no jardim da igreja, tinha uma estátua da St James, e na praça oposta a igreja, tinha a uma estátua de St Mary. Enfim, quem explica isso…
Andando mais um pouco ao redor dos muros da cidade, cheguei a um mosteiro, The Black Abbey. Bonitinho, mas nada demais para ver.
Depois de uma bela de uma caminhada morro acima, o que deveria ter sido literalmente o ponto alto do passeio não o foi por “condições metereológicas”.
Ao lado da St Canices Catheral há uma torre que deve proporcionar uma bela visão da cidade ao custo de 2 ou 3 euros. Apesar de estar um dia lindo (a 3°C), a administradora da igreja disse que não podia permitir que ninguém subisse por conta das condições climáticas. Fique bem p*to, uma vez que o dia estava maravilhoso, sem vento e tudo mais.
A ingreja é muito bonita, e é cercada de tumbas… exato, além de ser uma igreja, é também um cemitério. Isso deixou os arredores da igreja um pouco mais feio, mas nada que tirasse o encanto do local. Mesmo sem subir na torre era possível observar alguns pontos da cidades
Continuando a caminha pela cidade dos poloneses (a cada esquina você tromba com um), passei pela fábrica da Cerveja Kilkenny / Smitwicks (a melhor da Irlanda, e mais antiga que aGuinness), mas não era permitira a entrada visitantes.
Depois disso resolvi atravessar a ponte. A primeira vista é a do Castelo, e é bem legal.
Seguindo, Encontrei uma igreja cercada por tumbas. Mas ela estava trancada e vazia, só pude tirar fotos por cima do muro.
Depois de muito andar, já perto da estação de trêm de novo, chego a Catedral… opa, essa eu quero que vocês vejam o vídeo abaixa para descobrirem o nome dela…
Além de ser a igreja do ilustríssimo Santo Festeiro, é uma igreja linda!
Depois disso restava andar até a Lacken Walk. Um passeio a beira do rio. Cheio de escadas, plantas subindo as paredes e árvores. Ao lado, os escombros de um edifício antigo. Valeu muito a caminhada, principalmente se você tiver uns minutinhos para relaxar! =o)


A caminha para o albergue era longa! Cheguei de volta, descansei um pouco e banhei… Enquanto preparava a janta, conversei com algumas pessoas e no final fiz duas amigas: uma francesa e uma Neo Zelandesa.
Fomos para um dos poucos Pubs que estavam abertos e que tinham gente dentro. Estava tocando uma bandinha irlandesa ótima! Pouco depois, alguns irlandeses chegaram e começaram a conversar com as minhas recém-amigas. Aproveitei o ensejo e dei uma fugida. Fiquei em frente ao Pub onde dei muita risada com um irlandês bêbado que conversava / xavecava uma norte-americana de Orlando (não, ela não era a Miney).
Fui até outros Pus. Um deles, tradicional, apenas com nativos. Eles ficavam me olhando, não me davam licensa (apenas alguns, uns velhos com cara de mal amados). Entrei em outros lugares e vi que realmente aquele primeiro Pub (que não me lembro o nome =/ ).
Depois de sair, fui dormir decidido a deixar a cidade na manhã seguinte. Era uma sexta-feira e eu já tinha conhecido quase a cidade toda. 

Wicklow Tour

Pra quem não tem muito tempo pra viajar ou a grana tá curta mas quer sair um pouco de Dublin, uma boa opção é Wicklow.
www.wicklownationalpark.ie
O tour que fizemos foi pela Wild Wicklow Tour** que parte do Dublin Tourism todos os dias as 09:10 e retorna as 17:30 no Trinity College. Você pode comprar na hora, no ônibus, ou reservar com antecedência na página deles. Nós compramos na hora e o ônibus estava quase lotado, aconselho reservar pela internet se puder.
O Tour custa €28 (€25 para estudante) e inclui:
  • Um rápido, porém interessante City Tour por Dublin;
  • O ônibus passa pelo porto de Dun Laoghaire com uma parada rápida para fotos, Dalkey and Killiney “Home to the rich and famous” segundo o anúncio;
  • Se você acordou tarde e perdeu o café da manhã, a primeira parada é em Avoca Handweavers onde você pode dar uma forrada no estômago e comprar algum souvenir; (se o orçamento ta apertado esqueça o café e vá ao banheiro, tire algumas fotos e guarde os € pro almoço!)
  • Glendalough, um dos pontos altos do passeio! O motorista nos guia pelo monastério do século VI em meio as tumbas e com tempo pra caminhar até os lagos;
  • Hora do almoço! Parada num tradicional Pub Irlandês com comida caseira e claro uma Pint de Guinness; (o almoço não está incluído, mas vale a pena, gastei €12 no almoço+Guinness)
  • Sally Gap Adventure, o melhor do passeio, local onde foram gravados: Excalibur, Coração Valente e P.S. I Love You. Imperdível! (Vá preparado pro frio e principalmente pro Vento)!
www.wicklownationalpark.ie
Comentários:
  • “If you can see the mountains it is going to rain and if you can’t see them it is raining!”, entenderam o recado?;
  • Seja pontual, nas paradas o motorista avisa quanto minutos temos e que horas devemos estar de volta no ônibus. Eu e minha amiga ficamos papeando no Pub tomando uma Guinness, o restaurante tava cheio e não percebemos que a nossa excursão tinha saído aos poucos e chegou outra. Atrasamos o ônibus 10 minutos… tsc, tsc
  • O Motorista/Guia é um atrativo a parte, piadas, informacões históricas e culturais e até do mercado imobiliário de Dublin e da atual crise Irlandesa.
  • Glendalough está dentro do Wicklow Mountais National Park e é conhecido como “The Garden of Ireland”;
  • O passeio é rico em belas paisagens naturais e sítios/monumentos históricos;
 
St Kevin’s Church / Roundtower
www.wicklownationalpark.ie
**Estou citando nome da empresa porque gostei do serviço prestado, não é nenhum tipo de publicidade. Existem outras empresas que fazem o passeio.


Ennis – Você já ouviu falar nessa cidade?

Mais um texto da nossa colaboradora Avany! Muito obrigado!
Bom, começamos pela parte “boa”. Em Ennis você não vai precisar pegar ônibus, da para fazer tudo a pé, ou de bicicleta, principalmente quando se mora próximo ao centro da cidade, que, aliás, é um complexo (bem simples) de no máximo 20 ruas. A cidade não deixa nada a desejar quando se procura sombra, muito vento (não esqueça, estamos na Irlanda) e água fresca.
Sossego é a palavra de ordem em Ennis. Nada de trânsito caótico ou filas (uma exceção para o único cinema da cidade, uma das poucas opções de laser). Os jovens também costumam se aglomerar no McDonalds e casas do gênero, lugares que também lotam nos finais de semana. Para o público mais seleto, o Glòr costuma ser o destino. Música, teatro e exposições de arte preenchem a agenda do lugar, com preços oscilando entre 10 e 30 €.
Escola de idiomas? Exatamente no singular. Essa deve ser a maior preocupação com os brasileiros que possam ter pensado em rumar para Ennis para estudar. Só existe uma opção e com preço acima da média. Enquanto se paga cerca de 1700 € por uma escola em Dublin, aqui, o curso de 25 semanas na Clare Language Centre custa 1000€ a mais. A escola tem uma boa infra-estrutura, salas com no máximo oito alunos, bons professores e algumas facilidades, como internet livre, biblioteca, além de oferecer coffee break todas as manhãs. Também disponibiliza aulas gratuitas toda quarta-feira à noite. Brasileiros? Pouquíssimos, não mais de cinco, e em salas distintas, ou seja, Ennis pode ser o destino para aqueles que querem 100% de vivência em inglês.
Quando o assunto é emprego, Ennis está na mesma situação que outras cidades da Europa, mas não deixa de circular por lojas como Dunnes, Pennys e Tesco, vagas para diversos setores. Para au pair a procura é ainda maior, já que geralmente a maioria das pessoas procura vagas apenas na capital Dublin. Uma curiosidade! Como a cidade não é servida por transporte público, é muito comum os irlandeses irem buscar e levar o profissional em casa. E vale para todo mundo, cleaner, jardineiro, babysitter…
Outro ponto positivo em Ennis é a questão do aluguel, enquanto em Dublin se gasta em média 270€ por mês para dividir um espaço com outros estudantes, aqui é possível encontrar acomodação num bom lugar entre 80 e 150 € / mês.
E já que estamos falando de um lugar para morar vamos a um breve perfil dos moradores daqui. Você pode estranhar no primeiro momento ao ver umas plaquinhas na fachada das casas, o motivo? Casa por aqui tem nome, Dunrovin, St. Patricks, Santa Maria, Glemevood, Ashford,são alguns exemplos. Já pensou se a moda pega no Brasil, com a criatividade nata do brasileiro? Melhor deixar isso pra lá! Bom, na frente das casas nada de garagens, os carros ficam quase sempre nas calçadas, mas simpáticos jardins são cultivados dando um charme especial às ruas da cidade. Os irlandeses de Ennis são agradáveis, simpáticos e muito prestativos. Param para você atravessar a rua, mesmo quando se está num lugar inapropriado. Te cumprimentam como se fossem velhos conhecidos. E não costumam criar caso com os imigrantes. Ou seja…um povo gente fina!
Localizando-se no mapa:
Exibir mapa ampliado
Ennis está situada entre as cidades de Limerick(20min) e Galway(2h30), e a 3h de Dublin, considerando-se transitar de ônibus. Já para quem pretende viajar além das fronteiras irlandesas, outra facilidade de Ennis é sua localização junto ao aeroporto de Shannon (que a propósito, agora tem vôos regulares para o Rio de Janeiro pela AirFrance). De Shannon é possível embarcar rumo às principais cidades européias, como Londres, Paris e Milão. A Ryanairé responsável pela maioria dos vôos do Aeroporto de Shannon.
Embora a cidade não ofereça grandes atrações turísticas, a boa localização de Ennis possibilita conhecer a costa Irlandesa pagando-se não mais que 20€ por um return ticket, pela Buseireann, que oferece descontos para estudantes quando se compra tickets pela internet. Outra opção para transitar pela Irlanda by Ennis é pela Irish Rail, costuma ser mais caro que ônibus, mas não deixa de ser uma opção.
Só para vocês sentirem o clima da cidade, vejam algumas fotos! =o)





Conclusão
Se você gosta de agito, pubs badalados, de esbarrar em muita gente nas ruas e muita opção para os finais de semana, então não venha morar em Ennis. Mas se você está buscando de fato aprimorar o inglês, esbarrar em pouquíssimos brasileiros, boas opções de viagens, acesso fácil as principais capitais européias e relaxar, Ennis é uma ótima opção. Ah…e não esqueça das palavrinhas mágicas, Sorry, excuse me e good morning você vai usar muuuuiiito por aqui.
Outros links
www.visitennnis.ie






Nenhum comentário:

Postar um comentário